SEBRAE Cliente Sebrae

Compartilhe
Bolsas F.A.G.
Olinda/PE

Fernanda lançou marca de bolsas exclusivas que cresceu 100%

A partir de uma bolsa que ela pediu à mãe para copiar, surgiu uma ideia de negócio que, com o apoio do Sebrae, cresceu e conquistou clientes em diversos estados. A parceria foi importante principalmente na pandemia, quando a venda de 5 mil máscaras alavancou o faturamento.

O Sebrae orienta pessoas que chegam sem rumo, para que elas tomem as decisões corretas em suas jornadas empreendedoras.

01

Natural de Salvador (BA), a turismóloga Fernanda Custódio mora em Pernambuco desde a juventude, quando se mudou para Recife com os pais. O avô paterno era um grande alfaiate, e sua mãe herdou o dom para a costura, que foi sua fonte de renda ao longo de toda a vida.

Foi na capital pernambucana, em 1989, que Fernanda viu uma bolsa na rua que a deixou encantada. Correu até sua mãe, Ana, e pediu que fizesse uma idêntica. Ali começaria uma parceria que anos depois se tornaria um negócio de sucesso.

Fernanda lembra que, nessa época, sua mãe aprendeu a pintar e lhe ensinou a habilidade. Por hobby, ela começou a pintar panos de prato. Logo teve a ideia de fazer bolsas pintadas. Sua mãe costurava, e ela pintava.

Tudo seguia bem até que um acontecimento inesperado deu um rumo novo a sua vida: foi demitida da empresa de aviação em que trabalhava e que estava falindo. A partir daí, reuniu a mãe e a irmã, Glaydes, e propôs uma sociedade para a produção e venda das bolsas. Elas toparam na hora.

02
03

Pouco tempo depois, as três lançavam oficialmente a própria marca de bolsas e acessórios: a FAG. A sigla, junção das iniciais das três sócias, não demoraria para ficar conhecida em Olinda (PE) e outras cidades do estado.

04

Com o lançamento da marca e o aumento das vendas, decidiram formalizar o negócio, registrar a marca, e procuraram o Sebrae para todo o apoio necessário. “A gente era muito nova na época, e precisava desse suporte para dar continuidade, para saber como fazer a gestão da empresa.”

Fernanda diz que a parceria abriu muitas portas. Ela participou de eventos em diversos estados, foi convidada a participar da Casa Cor, além de receber incentivo para ir a feiras.

“O Sebrae está sempre fortalecendo nós, que somos micro e pequenos. Isso deixou a gente mais segura de saber onde a gente queria chegar. Ensinou a sempre nos reinventar e a buscar coisas novas.”

Hoje, a FAG, que além das sócias tem três funcionárias, conta com uma uma loja pop-up, com Sebrae e CasaCor, em um shopping de Recife, e uma loja comemorativa. Fernanda estima que a parceria ajudou o negócio a crescer 100%.

Quando começou a pandemia de Covid-19, a primeira coisa que fez foi procurar o Sebrae e iniciar uma consultoria que continua até hoje. Uma das alternativas para manter o faturamento foi produzir máscaras. Ao todo, venderam mais de 5 mil unidades. Além disso, lançaram bolsas ecológicas que também fizeram sucesso.
A empreendedora continua estudando atentamente a situação da pandemia, monitorando as notícias sobre a possível segunda onda de contaminação, para planejar os próximos planos da empresa. Mas de uma coisa ela já está certa: vai continuar trabalhando para fortalecer as vendas pela internet e descarta voltar a investir em loja física.
Curtiu essa história?

Compartilhe essa história:

Essa história continua. Siga nas redes.

Queremos conhecer a sua história e como o Sebrae fez parte dela.

Conte sua história

Veja mais histórias de sucesso

Encontre histórias que têm a ver com você.
105 histórias
Filtros
UF
  • AC
  • AL
  • AM
  • AP
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MG
  • MS
  • MT
  • PA
  • PB
  • PE
  • PI
  • PR
  • RJ
  • RN
  • RO
  • RR
  • RS
  • SC
  • SE
  • SP
  • TO
Solução
  • Cursos e eventos
  • Fale com Especialista
  • Sebraetec
  • Empretec
  • Outros
Segmento
  • Vestuário e acessórios
  • Alimentação e bebidas ou gastronomia
  • Eventos
  • Beleza e estética
  • Construção civil
  • Oficina/mecânica
  • Sustentabilidade
  • Tecnologia
  • Transporte