SEBRAE Cliente Sebrae

Compartilhe
Nelly Cardozzo Joias
Recife/PE

A artesã que começou a produzir bijuterias sustentáveis com R$ 50

O talento para fazer bijuterias foi o suficiente para Nelly saber que poderia começar seu próprio negócio. Ela tinha pouco dinheiro para tirar a ideia do papel, mas contou com a orientação do Sebrae para investir certo e levar seu produto ao mercado internacional.

Quando passei a catraca do Sebrae pela primeira vez, minha vida mudou totalmente.

01

Após trabalhar 20 anos em instituições bancárias, Nelly perdeu o emprego em 2011 e enfrentou dificuldade para se recolocar no mercado. Sem trabalho na sua área e preocupada em não gastar as economias que tinha reservado para educação dos filhos, decidiu aceitar o convite de ser gerente administrativa de uma cafeteria que uma amiga pretendia abrir na cidade.

Foi então que ela procurou o Sebrae, buscando um plano de negócios para o empreendimento. Durante o atendimento, o consultor reparou em uma pulseira de couro que ela usava e ficou surpreso ao saber que ela mesmo tinha confeccionado a peça. Nelly aproveitou esse momento para revelar que seu verdadeiro desejo era abrir o próprio negócio.

02
03

Ele me perguntou: quanto você tem disponível para começar a produzir essas pulseiras para vender? Eu ri disse que tinha apenas R$ 50.

04

Mesmo se tratando de um valor baixo, o profissional a incentivou a investir em materiais para começar a produção. Nelly seguiu o conselho e confeccionou inicialmente cem peças.

Com ajuda da filha que vendia as bijuterias na escola, em pouco tempo todas as peças foram compradas, o que a deixou bastante animada, pois conseguiu faturar 15 vezes mais do que tinha investido.

Eu fiz o seguinte cálculo: se de R$50 reais eu consegui gerar R$ 750, eu vou pegar esses R$ 750 e conseguir mais de R$ 5 mil

Formalização e crescimento

A partir de então, a empreendedora começou a participar de feiras para vender seus produtos, ao mesmo tempo em que fazia cursos gratuitos no Sebrae como “Eu sei controlar meu dinheiro”, “Eu sei planejar”, “Eu sei comprar”, “Eu sei vender”. O sucesso foi tão grande que em alguns eventos Nelly vendia todas as peças em cerca de meia hora.

“Foi quando a minha coordenadora do Sebrae disse que eu estava no caminho certo e que a partir daquele momento eu teria de galgar horizontes maiores, potencializando novos mercados. Então que me formalizei como MEI, abri meu CNPJ, uma conta corrente e adquiri uma máquina de cartão de crédito”.

Formalizada e cada vez mais capacitada, a empresária viu os negócios crescerem a cada dia. Também por intermédio do Sebrae, conseguiu participar de feiras internacionais e exportar seus produtos para cinco países.

O Sebrae tem uma jornada de educação empresarial em que a gente passa por monitoria, avalição e consultoria para que a gente possa se organizar, buscar uma eficácia nos negócios e crescer, com foco na gestão. As orientações vão desde a escolha da embalagem, ao atendimento, à estipulação do preço, como tirar foto do produto, planejamento estratégico, marketing digital, marketing pessoal, e-commerce e tantas outras coisas.
Agora, o próximo passo de Nelly é abrir um ponto fixo de vendas e mudar para a categoria ME (Microempresa), já que sendo MEI, seu faturamento só pode chegar a R$ 81 mil por ano. A parceria com o Sebrae continua e, nessa fase de transição, recebe consultoria na área de gestão, marketing e produção.
Curtiu essa história?

Compartilhe essa história:

Essa história continua. Siga nas redes.

Queremos conhecer a sua história e como o Sebrae fez parte dela.

Conte sua história

Veja mais histórias de sucesso

Encontre histórias que têm a ver com você.
89 histórias
Filtros
UF
  • AC
  • AL
  • AM
  • AP
  • BA
  • CE
  • DF
  • ES
  • GO
  • MA
  • MG
  • MS
  • MT
  • PA
  • PB
  • PE
  • PI
  • PR
  • RJ
  • RN
  • RO
  • RR
  • RS
  • SC
  • SE
  • SP
  • TO
Solução
  • Cursos e eventos
  • Fale com Especialista
  • Sebraetec
  • Empretec
  • Outros
Segmento
  • Vestuário e acessórios
  • Alimentação e bebidas ou gastronomia
  • Eventos
  • Beleza e estética
  • Construção civil
  • Oficina/mecânica
  • Sustentabilidade
  • Tecnologia
  • Transporte